50 policiais miltares e civis e mais 13 federais faziam a segurança de Bolsonaro no momento do ataque - veja mais

Publicado em 10/09/2018 às 12:41h

Cada candidato a presidente da República tem direito a uma equipe de segurança de 21 policiais federais especializados em dar proteção a autoridades.

O ministro da Segurança Pública reclamou que muitas vezes os candidatos não seguem o protocolo de segurança indicado pela PF e que espera que o atentado contra Bolsonaro chame a atenção dos candidatos para os protocolos de segurança.

“Candidato procura ter contato. Quem lida com segurança sabe que isso faz parte do jogo. O problema é quando você vai para um nível de risco reiterado sobre a qual a segurança diz: "não dá para fazer a segurança nessas condições". Isso foi chamada a atenção dele e outros candidatos também e o que se espera é que a partir de agora eles venham a cumprir o protocolo e ajudar a Polícia Federal a cumprir com a sua responsabilidade, que é fazer a segurança dos candidatos”, declarou Jungmann.

O ministro fez uma reunião no ultimo sábado (8) com os coordenadores de campanha dos candidatos e em seguida com os candidatos para falar sobre segurança.

Cinco presidenciáveis solicitaram segurança da PF durante a campanha: Jair Bolsonaro, Geraldo Alckmin (PSDB), Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) e Alvaro Dias (Podemos).

Segundo Jungmann, Bolsonaro tem a maior das equipes de segurança entre os presidenciáveis. São 21 policiais federais, sendo que 13 deles estavam acompanhando o candidato durante o ataque.

De acordo com o ministro, outros 50 policiais militares reforçavam a segurança do presidenciável em Juiz de Fora.

"Quero deixar bem claro, durante as olimpiadas o presidente da Fraça que aqui esteve, que era considerado de alto risco, teve 9 policias federais que fizeram a sua segurança", afirmou Jungmann.

Fonte: G1

 

 

 

 

Publicidade

Topo