Em SP, 1 a cada 4 homens que transam com homens tem HIV, revela estudo

Publicado em 06/06/2018 às 14:01h

Matheus Emílio Pereira da Silva, 22, da ONG Pela Vidda, que se infectou aos 18 anos - Eduardo Anizelli/ Folhapress

 

SÃO PAULO
Um a cada quatro homens que fazem sexo com homens no município de São Paulo tem o vírus HIV, revela pesquisa feita em 12 cidades brasileiras encomendada pelo Ministério da Saúde.

Em 2011, outro estudo realizado no centro da capital havia apontado uma prevalência de 15% nesse grupo. Mas como envolveu metodologia diferente, não é possível comparar os dois trabalhos.

Segundo o Ministério da Saúde, a prevalência do HIV na população geral é de 0,4%.

Publicada pela revista internacional Medicine, a nova pesquisa entrevistou 4.176 homens de 11 capitais e Brasília, de modo a representar todos os extratos sociais.

Desses, 3.958 aceitaram fazer o teste do HIV, com 18,4% de resultados positivos. A pesquisa anterior, de 2009, com a mesma metodologia, encontrou prevalência de 12,1%.

“É um número altíssimo. São vidas e vidas em risco”, diz Lígia Kerr, professora da Universidade Federal do Ceará (UFC) e que coordenou ambos os trabalhos.

No grupo entrevistado, 83,1% se declaram gays, 12,9% heterossexuais ou bissexuais e 4% outros. Do total, 75% transam só com homens.

O estudo utilizou de uma metodologia americana que recruta pessoas-chaves (chamadas de sementes) para serem entrevistadas e testadas duas vezes. Essas, por sua vez, indicam outras pessoas com o mesmo perfil e assim por diante.

 

Foram feitos dois testes do HIV, a maioria em unidades de saúde. Metade dos participantes foram testados pela primeira vez na vida.

Para Ligia, vários fatores explicam o aumento da prevalência do HIV entre homens que transam com homens, fenômeno visto em países da Europa e nos EUA. “Já se fala em segunda onda da Aids.”

No Brasil, entre as hipóteses estão a falta de campanhas preventivas, a redução do uso da camisinha e as mudanças comportamentais que permitiram, entre outras coisas, a busca por parceiros sexuais por meio de aplicativos —o que pode levar a um maior número de parceiros e de relações desprotegidas.

Outra hipótese, diz ela, foi a redução das campanhas de prevenção. Por falta de verbas, várias ONGs que antes faziam ações preventivas voltadas ao público gay foram fechadas.

As campanhas públicas também minguaram. “Foi uma pressão muito grande da bancada conservadora que a gente chama de bala, boi e bíblia. Cartilhas que falavam sobre sexualidade e que já estavam impressas foram proibidas de ser distribuídas nas escolas. Foram proibidas propagandas de TV. É como se a Aids tivesse desaparecido.”

De acordo com Ligia, os jovens estão iniciando a vida sexual sem nada que os lembre sobre a Aids, o que se reflete no aumento de casos de HIV entre os mais jovens.

A pesquisa apontou que entre 15 e 19 anos, a taxa de soropositivos triplicou (de 2,4 para 6,7 casos por 10 mil habitantes). Entre 20 e 24 anos, o índice dobrou (de 15,9 para 33,1 casos por 100 mil). Dados do Ministério da Saúde mostram que só 56,6% dos jovens entre 15 e 24 anos usam camisinha com parceiros eventuais.


Para o estudante de direito Matheus Emílio Pereira da Silva, 22, da ONG Pela Vidda, os jovens tendem a achar que a infecção nunca vai acontecer com eles. “Aconteceu comigo. Relaxei na prevenção”, diz ele, que começou vida sexual por volta dos 16 anos e, aos 18, estava infectado pelo HIV.

Ao saber do resultado do teste, ele afirma que demorou uma semana para contar aos pais. “Minha mãe reagiu de forma mais tranquila porque já sabia dos avanços do tratamento. Meu pai achou que eu já ia morrer”, lembra.

Hoje, ele faz um trabalho virtual e presencial de orientação e prevenção sobre o HIV. “Ainda há muita desinformação e estigma. Pessoas abandonam o tratamento porque têm medo de contar no trabalho e serem demitidas.”

Para o professor Mario Scheffer, do departamento de saúde preventiva da USP, é preciso promover uma “alfabetização” das novas gerações, com uma reinvenção da prevenção da Aids.

“Aquela história de falar ‘use camisinha e faça o teste’, não funciona mais. São novos modos de vida, de espaços de sociabilidade e de acordos de identidade. Antes havia uma adesão maior a recomendações comunitárias. Agora faz parte das novas gerações uma individualização das normas.”

Segundo ele, é preciso pensar em estratégias customizadas de prevenção. “Nem todos os jovens gays são iguais.”​

Para Ligia, tem havido uma banalização da Aids no mundo todo. “As pessoas acham que tem cura, você toma remédio e acabou. O tratamento é excelente, salva vidas, mas não é coisa simples e trivial.”

Gerson Pereira, diretor substituto do departamento de vigilância, prevenção e controle das infecções sexualmente transmissíveis, do HIV/Aids e das hepatites virais do Ministério da Saúde, afirma que o ministério, em parceria com o MEC, voltará a fazer ações educativas sobre sexualidade nas escolas.

Diz também que o governo federal tem um cardápio importante de respostas na prevenção do HIV/Aids para a população mais vulnerável.


Além da oferta de camisinhas e de droga que previne a infecção pelo HIV (o chamado PrEP), o ministério oferece a chamada profilaxia pós-exposição, um conjunto de medicamentos contra o HIV que devem ser ingeridos por 28 dias no período imediatamente após o possível contágio.

Pereira reforça que o ministério promove campanhas de prevenção à Aids voltadas aos jovens, especialmente nas mídias sociais, sites de relacionamentos e aplicativos de paquera. “Campanhas de rádio e TV são menos vistas pelos mais jovens.”

Segundo ele, o aumento do HIV entre jovens tem ocorrido no mundo todo e isso deve, principalmente, à perda do medo da morte. “Os jovens se acham super-homens, que nunca vão adoecer, e não procuram os serviços de saúde.”

 

 

Fonte: Folha de Sao Paulo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Publicidade

Topo